Trata-se de uma casa de veraneio que, com um prazo curto para iniciar a construção e ainda aproveitar a casa no próximo verão, exigiu que o projeto fosse concebido em praticamente duas semanas. Para isso, reuniões de projeto aconteceram em meio ao carnaval de 2017. Por coincidência ou não o clima festivo que esteve presente durante a concepção do projeto, também está presente, não de forma literal, mas através dos amplos espaços propícios para grandes festas e celebrações.

A casa se abre para o lago aproveitando a ótima largura do terreno de 30m de comprimento. Um grande deck foi o ponto de partida para o aproveitamento ao máximo do lago e a ampliação da área de lazer e convivência, que proporciona o ambiente ideal para o encontro de amigos e familiares. O living se espalha e a integração interior exterior se dá pela grande esquadria de 12m de largura, que através de dois nichos laterais pode ser embutida, ampliando ainda mais a relação entre o living e a ampla varanda de 4m de profundidade, o que garante a proteção da esquadria sendo raramente necessário fechá-la no veraneio.

Representa bem o conceito de arquitetura da Martin. A casa Lagoa 92 tem a suíte principal como protagonista do projeto, sendo o volume de maior destaque. Na parte mais nobre do terreno, com maior insolação, estão a varanda e a piscina. Brises de concreto aparente são utilizadas para proteger a casa do sol.

Na Casa C5, as escolhas e preferências dos utilizadores configuram a personalidade e funcionalidade desta casa. Os moradores principais, uma menina de 9 anos e um menino de 6 anos, quando questionados sobre o que gostariam da nova casa, foram rápidos em dizer: "Queremos um jardim para brincar!" Depois de morar em um pequeno apartamento no centro da cidade, eles estavam ansiosos pela mudança. A residência com pouco mais de 200m² de casa térrea oferece espaços traduzidos para as crianças e suas atividades de lazer e estudo e ambientes planejados com prioridade nas atividades familiares. Na fachada principal, a garagem funciona como um playground coberto para os dias de chuva. A varanda de acesso ao lago, localizada nos fundos da casa, é o local preferido para jogos aquáticos.

A casa é um refúgio de praia para uma família que vive na agitação dos grandes centros urbanos. Ao mesmo tempo faz um resgate ao trabalho do pai da proprietária, que ao longo dos anos adquiriu tijolos maciços que outrora fizeram parte de casas tradicionais da cultura germânica na Serra Gaúcha.

A conexão entre o passado e o presente se estabelece na fusão do concreto aparente com o tijolo de demolição. O aspecto bruto do concreto aparente complementa a rusticidade do tijolo. A Casa tira partido do lote abrindo-se para o fundo onde se encontra um lago que pode ser visto já a partir da porta principal.